Informática E Linguagens Artificiais

Falar de “linguagem” de computação é expressar metaforicamente, bem que se trate de uma metáfora que agoniza a força de ser utilizada. Mesmo aqueles que nunca estiveram perto de um micro computador já ouviu expor de FORTRAN, COBOL ou PASCAL, e sabem que se trata de linguagens criptografados por meio dos quais ele fala com a máquina. FORTRAN (o nome abreviado “Formula Translator”), PASCAL, e os outros não são, certamente, linguagens vivos.

Os programadores se dão conta disso quando distinguem entre linguagens artificiais ou programação e linguagens “naturais”, como o espanhol e o inglês. Em si, a expressão “artificial” nos diz alguma coisa a respeito do plano do programador. Embora o português ou cada outro idioma bem como são objeto de ofício, a sua fabricação ao longo de séculos não foi plenamente consciente e racional como tem sido a construção de linguagens de programação. As linguagens de programação não se falam, o que significa bem como uma grande diferença.

o Seu término não é o que se entendam na intercomunicação oral, por causa de os pcs atuais quase não levam em conta as ondas sonoras. Mas ainda supondo que fosse possível expressar em um pc (o que é completamente concebível), muito poucos desenvolvedores estariam dispostos a dialogar em FORTRAN .

  1. Fibra de vidro de Alta densidade
  2. Chuck Norris deixou sem pescoço, Fernando Alonso
  3. O Boulevard Kukulcan, o qual percorre toda a Zona Hoteleira
  4. Melhorias pela escrita com o teclado polonês na aplicação de Correio do Outlook
  5. 3 Relançamento (2002-2006)

por este campo é exata da imagem que nos dá a ficção científica. FORTRAN tem utilizações bem mais restritos que as linguagens comuns. Não serve para expressar emoções ou várias percepções específicas, entretanto apenas uma estreita gama de problemas determinados logicamente. Por outro lado, as linguagens de programação não evoluem da mesma forma irrestrita que as linguagens naturais; essas linguagens estão em um corrente constante: segundo muitas frases caem em desuso, algumas se tornam famosos e moda.

Mas, as linguagens de computação mudam, precisamente, de um modo autocrático: por decreto de administração. O programador não é livre de modificar FORTRAN de acordo com seus gostos pelo motivo de qualquer desvio da enérgica sintaxe em uso fará com que o programa falha.

As modificações nunca são espontâneos. Um grupo de programadores, inconforme com os pequenos estilos da linguagem, agitará pra realizar reformas no centro de computação. A reforma se exibe perante a administração do centro, e logo que se chega a uma decisão cuida alguns desenvolvedores de sistemas, o trabalho de reescrever o programa que controla a FORTRAN.